Textos - Culpa

ADULTO

Culpa

Culpa por que sentimos? Para que serve? Por que não é fácil se livrar dela?

A culpa está por ai, às soltas ou presa.

O sentimento de culpa é a cota de sofrimento que a pessoa paga para negar a realidade.

O sentimento de culpa não gera responsabilidade como normalmente se pensa. Não abre espaço para este aprendizado. Gera autoacusações permanentes e uma forma rígida de olhar os fatos.

Quase sempre inconsciente se manifesta através de um sofrimento. O culpado dispensa ao sentimento de culpa uma energia que deixa de ser colocada em prol do aprender e compreender a vida, afim de melhor interagir com ela.

É uma dor que serve como saída para um sofrimento maior: a impotência.

O sentimento de culpa é um sentimento onipotente.

É uma não aceitação, daquilo que não fomos.

Quando aquilo que fomos contraria a concepção moral e pessoal.

Quando culpada, a pessoa esta certa de que poderia ter feito algo para evitar o prejuízo, o dano a ela mesma ou a outrem.

Pensar continuamente que poderíamos ter feito algo sobre aquilo que já passou e sobre o que não se pode fazer diferente, por que já passou, é improdutivo. É julgar ser detentor de uma solução, mas que, porém não foi usada, mas que acredita existir. Este sentimento serve muitas vezes para protegermos da dura realidade frente a muitas coisas das quais não poderíamos fazer diferente.

Como a exemplo de uma criança que tem um pai agressivo. Para a criança a tendência é pensar que ela é causadora do comportamento do pai. Para esta criança é a escolha menos dolorida para ela. Pois o que evita perceber é que esta desamparada e que este pai agressivo pode não ter condições de cuidá-la tanto quanto precisa. Pensar-se culpada absolve o pai, salva ele para ela. Segue com o sentimento de que é ou poderá ser amparada. Para isto precisa somente que ela se comporte. Entende então, de uma forma onipotente, que ela é capaz de resolver este problema.

Outra função da culpa é a de executar a pena pelo crime.

Logo se fiz algo ou deixei de fazer algo que causaria um prejuízo e acredito que poderia ter evitado, sentir-se culpado é o sofrimento como pena pelo erro. Assim, a ideia de alivio, pois fica como uma solução: Eu não fiz, mas pelo menos me sinto culpado!

A pessoa pode imaginar também que a culpa pode ser um impedimento, um obstáculo para a repetição do erro. Assim se apega a culpa como uma aliada. No entanto a culpa enfraquece a pessoa que não aprendendo sobre o que aconteceu tende a repeti-lo.

O sentimento de culpa gera um olhar ao passado e deixa-o preso lá. Não ensina nada a respeito da vida, dos fatos e sobre nós mesmo. Atrapalha nosso desenvolvimento, pois como não vê saída, faz um movimento em circulo e nega o erro como forma de aprendizado.

Não oferece uma ação útil, positiva e criativa na solução dos problemas, pois não permite uma liberdade de pensar que fica sediada pela culpa.

Reconhecer o erro é importante e se responsabilizar por ele também. A responsabilidade diferente da culpa permite o pensar.

A psicoterapia auxilia no processo de substituição da culpa pela responsabilidade, pois na analise de si mesmo se torna possível entender as razões para o que sentimos, para determinados comportamentos e para a compreensão dos fatos. A reflexão realizada no processo psicoterapêutico abre espaços no qual a compreensão possibilita uma atitude mais madura frente à vida e consequentemente mais responsável.

Indicação de Filme:

Nome: O Sonho de Cassandra

Título Original: Cassandra’s Dream

Direção: Woody Allen

Roteiro: Woody Allen

Ano: 2007

País: França, EUA, Reino Unidos

Rosângela Martins
Psicóloga
CRP 07/05917






Localização dos Consultórios:
Centro Histórico de Porto Alegre:
Rua Gen. Andrade Neves, 155 conj. 63 – Centro - Porto Alegre - Telefones: (51) 3225.1171 e (51) 98337.4242

Atendimento de segunda à sábado
rosangelamartinspsicologa@gmail.com
Desenvolvido por Brainstorm Soluções Inteligentes | www.bstorm.com.br